Morro Agudo recebe 1ª Rede Privada de Estações Agrometeorológicas do Brasil

estacoes_scicrop

Todo agricultor está mais do que acostumado a ter de monitorar diversos fatores que influenciam de forma positiva e negativa sua produção para conseguir colher os frutos de seu trabalho ao final da safra. Diariamente o produtor atenta-se a detalhes dos mais diversos para se prevenir de possíveis ataques de pragas e doenças que venham a prejudicar a plantação. Mas o mais importante de todos os fatores a serem monitorados ainda é o fator clima.

O clima e suas características são fatores que influenciam diretamente na qualidade da colheita, independente do tipo de cultura, seja milho, café, hortaliças ou cana-de-açúcar. Etapas de extrema importância como formação de frutos, maturação e enchimento de grãos, por exemplo, determinam a qualidade da colheita e são extremamente dependentes do clima para atingirem os níveis esperados de açúcar, tamanho de fruto e quantidade de grãos.

Com isso, para garantir uma boa colheita torna-se necessário monitorar o clima do local onde está a plantação, prevendo a quantidade de chuva esperada para o ano, os períodos em que haverão muitas chuvas ou mesmo estiagem, e ainda os períodos com condições ideais ao aparecimento de insetos-praga. Só assim o produtor poderá realizar um planejamento adequado de plantio, atividades de tratos culturais e colheita de acordo com o clima esperado para o período.

Diante da importância do monitoramento climático, através de uma iniciativa do Sindicato Rural de Morro Agudo, a SciCrop, startup de tecnologia para o agronegócio, realizou a instalação da 1ª rede privada de monitoramento agroclimático no município de Morro Agudo, interior de São Paulo, o maior produtor de cana-de-açúcar do Brasil.

“Há algum tempo, o Sindicato Rural de Morro Agudo começou a fazer a medição do volume de chuvas, através de pluviômetro, da mesma maneira que a maioria dos produtores fazem. A partir daí, começamos a enxergar a necessidade de se ter uma maior precisão na coleta de dados e na previsão dos eventos climáticos e meteorológicos. Então, começamos a pensar em ter a nossa própria estação”, conta o presidente do sindicato, Alexandre Vanis Volpon.

Inicialmente com 5 estações meteorológicas distribuídas de forma estratégica em diferentes fazendas do município, a rede irá realizar previsões através de uma modelagem desenvolvida especialmente para cana-de-açúcar, em parceria entre a SciCrop e a Climatempo, a maior empresa de meteorologia entre trópicos, que por meio da análise de modelos numéricos e meteorologia de precisão, oferece previsões climáticas de curto, médio e longo prazo, com até 15 dias de antecedência, e o comportamento do clima em até 6 meses para a propriedade monitorada, com elevado índice de acerto, ajudando o produtor na estratégia de plantio.

“A Climatempo tornou-se referência em climatologia no Brasil, e nesses quase 30 anos de experiência, vem atendendo clientes dos mais diversos setores. O agronegócio sempre foi uma frente de atuação importante para nós, porém exige uma complexidade maior devido ao grande número de fatores a serem monitorados simultaneamente, por exemplo, ao cruzar dados de temperatura e umidade é possível prever o surgimento de pragas e doenças. Para isso, é importante coletar os dados climáticos em tempo real, o que é dificultado pelo pequeno número de estações públicas que são capazes de fornecer dados confiáveis diariamente. A parceria com a SciCrop surgiu para preencher esta lacuna e suprir a demanda por sensoriamento climático hiperlocal e personalizado para a cultura de interesse do produtor. Tivemos contato com outras startups de Agritech e a SciCrop foi a que se mostrou mais preparada para atender a este público e se integrar às nossas soluções”, explica Carlos Magno, presidente da Climatempo.

O serviço de monitoramento é disponibilizado através da contratação do Pacote Clima, com custo a partir de R$149,00 por mês, mais uma taxa de adesão, e é o mais acessível do mercado. No pacote, uma estação é fornecida em comodato para coleta dos dados hiperlocais da propriedade e o produtor ainda conta com uma série de informações e funcionalidades no sistema para a gestão descomplicada do seu negócio.

José Damico, CEO da SciCrop, conta que a solução foi desenvolvida após 2 anos de estudos, de forma a atender a todo perfil de produtor e às dificuldades de conexão encontradas no campo. “As estações funcionam com tecnologia de rádio transmitindo os dados para um receptor que é conectado à internet através de um cabo Ethernet, facilitando a instalação da mesma no campo, pois não há necessidade de cabos de conexão. Caso a fazenda não possua conexão cabeada à internet, é possível conectar-se através da rede móvel de telefonia celular. Em casos extremos onde não há cobertura móvel, a SciCrop disponibiliza um protocolo personalizado para coleta de dados através de um aplicativo offline de celular utilizando uma rede wireless fechada”, explica Damico.

Os benefícios desta tecnologia são inúmeros, o presidente do sindicato afirma que os resultados já estão disponíveis aos produtores. “Agora, os associados do sindicato tem ao seu dispor o acesso a informações instantâneas e precisas de cada estação e consolidada para o município, como temperatura, umidade relativa e velocidade do vento, o que auxilia o produtor nas tomadas de decisões acerca de seus tratos culturais, datas de plantio e muito mais”, completa Alexandre.

Para saber mais acesse: www.agroassist.com.br

No Comments, Be The First!

Your email address will not be published.