Uso de algas aumenta produtividade na produção de soja

Com mais de 70 nutrientes disponíveis e de rápida absorção, as algas marinhas têm sido cada vez mais utilizadas na agricultura brasileira. A técnica, que começou a ser aplicada na década de 70 na França, ganhou estudos mais robustos nos últimos anos, inclusive em universidades nacionais, e hoje já é apontada como uma das alternativas ecologicamente corretas com melhor resposta de produtividade.

O vice-diretor da Escola de Agronomia da Universidade Federal de Goiás (UFG), Wilson Mozena, conta que os estudos se intensificaram nos últimos cinco anos e que os resultados têm sido excelentes nas mais diversas culturas. “As respostas são muito boas não apenas em alimentos ricos em cálcio, como tomate, mas também quando o agricultor busca um ajuste fino para o aumento de sua produtividade. Há ainda a possibilidade do uso na ração animal”, explica.

As algas do tipo Lithothamnium apresentam em sua constituição diversos macro e micronutrientes, com destaque para o cálcio e magnésio, além de substâncias orgânicas como aminoácidos.

Mozena explica que, além dos nutrientes da própria alga, sua porosidade permite que micro-organismos do solo encontrem uma espécie de abrigo no material. “Em alguns casos, o resultado vem por meio dos nutrientes, em outros casos, pela absorção feita pela porosidade da alga e, em outras situações, pela combinação destes dois fatores”, acrescenta ele.

Nos últimos dois anos, a UFG iniciou parceria com uma empresa, que desenvolveu duas linhas de produtos para fertilização do solo e alimentação animal. A composição permite a utilização do composto de algas sozinho ou em mistura com outros fertilizantes.

Os números são expressivos: experimento realizado em Silvânia, Goiás, em cultivo de soja iniciado em novembro de 2012 e com colheita em abril de 2013 comparou a adubação padrão utilizado na fazenda e o tratamento com algas, somado à mesma dose de NPK . O resultado foi um aumento de 6,7% na produtividade com as algas, elevando a produção de 39,90 sacas por hectare para 42,60.

O uso de algas em pastagens de braquiária na região central e norte do Brasil tem mostrado benefícios relevantes, permitindo até dobrar o número de animais pastejando por hectare. “A parceria das universidades com a iniciativa privada é importantíssima para o desenvolvimento de tecnologias nacionais. O Brasil precisa disso para não depender de inovações vindas do exterior”, defende Wilson Mozena.

Fonte: Agrolink

About Jose.Damico
Damico tem 23 anos de experiência em tecnologia e é especialista em transformação digital. Em sua primeira empresa desenvolveu tecnologias pioneiras para e-learning e dispositivos de segurança da informação. Durante esse mesmo período foi co-fundador de uma startup de e-procurement ativa até hoje. Posteriormente, iniciou suas atividades na IBM. Foi engenheiro de software, e se destacou com o desenvolvimento da plataforma DB2 para análise de grandes volumes de dados, ainda nesta época foi eleito para o Technology Leadership Council da IBM. Durante 8 anos desenvolveu projetos inovadores, fundou uma startup de sistemas de segurança embarcados em processadores no Vale do Silício, investida pelo Intel Capital. Nos últimos anos, atuou como CIO e P&D em empresas de tecnologia focadas no mercado financeiro do Brasil e Europa. Ele também tem uma forte presença na comunidade internacional de software livre. Na SciCrop, José coordena todos os desenvolvimentos tecnológicos, aplicando o conhecimento de suas pesquisas inovadoras em big data e IOT para a agricultura.

No Comments, Be The First!

Your email address will not be published.