Manejo de abelhas sem ferrão: opção é rentável e traz inúmeros benefícios

A meliponicultura é um mercado ainda incipiente no Brasil, mas com grande potencial de crescimento

Agricultores, estudantes e outros interessados em investir em um negócio ainda pouco explorado, mas extremamente promissor e, o que é melhor, ecologicamente correto, fizeram parte do grupo de 80 inscritos que participaram do curso sobre manejo de abelhas sem ferrão, realizado pela Embrapa Recursos Genéticos e Biotecnologia.

Este público, além de trocar conhecimento e levar para casa novas informações sobre o tema, também é parte de mais de uma centena de pessoas que apostam na criação desta espécie de abelhas como fonte de renda e, especialmente, a polinização como uma das alternativas para melhorar a produção e produtividade de diferentes culturas – sem falar da importância do ponto de vista da sustentabilidade.

Menezes, que trabalha em parceria com a pesquisadora da Embrapa Recursos Genéticos e Biotecnologia Carmen Pires diz que as abelhas sem ferrão podem significar sinônimo de investimento num nicho de mercado ainda nos primeiros passos. Para se ter uma ideia algumas culturas registram um aumento de 30% a 40% na produção quando são colocadas nas áreas de plantio as colmeias das abelhas sem ferrão. Nesse caso estão os plantios de café e tomate, por exemplo, que devido à polinização que ocorre com o manejo das abelhas nas lavouras têm mais frutos com melhor qualidade. Na cultura do morango os benefícios diretos da polinização chegam a uma produtividade 43% maior.

Um outro aspecto abordado no curso é o nicho de mercado que pode ser explorado com sustentabilidade quando o agricultor ou os interessados na criação de abelhas sem ferrão possuem ao se dedicarem a meliponicultura.  No Rio Grande do Sul e em Santa Catarina, os criadores têm renda garantida com o aluguel de colmeias para polinização nos pomares de macieiras, na época de floração destas plantas – entre agosto e setembro. Passado este período as colmeias retornam às suas propriedades de origem.

“Nas regiões Norte e Nordeste do país há famílias que vivem exclusivamente da renda gerada pela criação de abelhas sem ferrão”, conta Menezes.

Certos de que as abelhas sem ferrão são uma excelente alterativa de negócio e, principalmente, um ativo sustentável que deve ser levado em consideração, os pesquisadores da Embrapa e das universidades parceiras perseguem o desafio de descobrir, na diversidade de abelhas sem ferrão existentes no Brasil e quais culturas são polinizadas por quais espécies destas abelhas.

Fonte: Embrapa

About Jose.Damico
Damico tem 23 anos de experiência em tecnologia e é especialista em transformação digital. Em sua primeira empresa desenvolveu tecnologias pioneiras para e-learning e dispositivos de segurança da informação. Durante esse mesmo período foi co-fundador de uma startup de e-procurement ativa até hoje. Posteriormente, iniciou suas atividades na IBM. Foi engenheiro de software, e se destacou com o desenvolvimento da plataforma DB2 para análise de grandes volumes de dados, ainda nesta época foi eleito para o Technology Leadership Council da IBM. Durante 8 anos desenvolveu projetos inovadores, fundou uma startup de sistemas de segurança embarcados em processadores no Vale do Silício, investida pelo Intel Capital. Nos últimos anos, atuou como CIO e P&D em empresas de tecnologia focadas no mercado financeiro do Brasil e Europa. Ele também tem uma forte presença na comunidade internacional de software livre. Na SciCrop, José coordena todos os desenvolvimentos tecnológicos, aplicando o conhecimento de suas pesquisas inovadoras em big data e IOT para a agricultura.

No Comments, Be The First!

Your email address will not be published.